Skip to content

Um tapinha DÓI, sim. E muito.

21 de julho de 2010

A coisa toda está, digamos assim, um caos. Não ouvi ainda UM especialista DE VERDADE – psicólogo, com formação em educação e conhecimentos suficientes sobre teorias de violência e punição – dar opinião sobre o assunto do Projeto de Lei 2.654/03, que pretende coibir o uso de “qualquer forma de punição corporal”. Mas já ouvi bilhões e bilhões de opinadores-sobre-todos-os-assuntos e falas de todo tipo de sabe-tudo, desde os que têm certeza de que estão certos até os que ainda não sabem direito do que se trata. E a pergunta continua: “palmadinhas educativas” são ou não boas para a educação de crianças?

Do ponto de vista jurídico, a lei está bem explicadinha aqui, no Consultor Jurídico.  Do ponto de vista pessoal – meu, só meu e de mais ninguém – , é mais uma lei que “não vai pegar”, como tantas outras nesse país, como a Lei Maria da Penha, por exemplo. Necessária? Talvez. Mas há que lembrar que o Código Civil Brasileiro e a Constituição já proíbem a agressão, a violência e a punição física a todo e qualquer cidadão brasileiro. Só isso já devia ser suficiente, né?

Mas, eu queria falar é de outra coisa. O que eu vejo nos debates é que as pessoas colocam agressão física no mesmo saco de qualquer tipo de punição. Tecnicamente, a punição acontece sempre que você introduz alguma coisa aversiva (desde um jato de água fria no nariz, um quarto escuro, até uma palmada, uma chicotada, um espancamento); ou então que se retira alguma coisa prazerosa (sem TV por uma semana, sem videogame até a nota melhorar, sem sua liberdade por dois anos).

O fato de se proibir que sejam aplicados castigos físicos (ou “corporais” como está na letra da lei) não quer dizer que não se podem usar métodos punitivos para educar. Só quer dizer, exatamente, que não se pode usar AGRESSÃO FÍSICA como medida educativa de crianças e adolescentes. Nesse ponto, particularmente eu acho que a lei está frouxa e mal escrita, e que deveria dar diretrizes mais objetivas, porque todo mundo sabe que cabeça de juiz é que nem bunda de nenê. (Ué? A juíza não negou o pedido de proteção de Eliza Samudio, com base na Lei Maria da Penha, com o argumento de que a lei só se aplicava à violência doméstica, e pra ela – a juíza – violência doméstica só acontece quando duas pessoas são casadas? Vai pensando…)

Mas, por que a “palmada” é tão difundida como meio de se educar crianças? Alguns tipos de punição são muito funcionais para quem pune. Eles fazem com que o comportamento de quem é punido desapareça imediatamente. E isso é muito reforçador para o punidor. E para o punido? Este aprende que emitir esse comportamento na presença do punidor vai gerar punição. Veja a sutileza: a punição não ensina o que deve ser feito, o que é adequado naquela ocasião, ensina apenas como SE LIVRAR da mesma punição. É assim que crianças aprendem que fazer birra com papai não funciona, mas com a mamãe dá mó certo! O uso da força física e da agressão, nesse sentido, é o mais eficiente de todos os tipos de punição, porque cessa imediatamente o comportamento inadequado. Mas não ensina o que é certo. Ensina apenas a não fazer aquilo denovo na frente de quem te bateu. Quem já foi criança sabe muito bem do que eu tô falando. A única maneira de ensinar comportamentos adequados é usando o reforçamento desses comportamentos. Só.

O problema da punição – de qualquer tipo – é que, além de não ensinar o comportamento correto, ela gera um monte de comportamentos de fuga e esquiva (aqueles que te livram da punição, como contar mentiras, fugir de casa, fazer coisas escondido dos pais, colocar a culpa no irmãozinho ou no coleguinha, encher a cara de vodka barata pra “esquecer” dos problemas, por exemplo) e comportamentos tecnicamente chamados de “contracontroles”, ou seja, coisas que fazemos para tentar controlar a fonte de punição, como desacreditá-la (“meu pai é um bêbado”), agredi-la de volta e até mesmo eliminá-la (Suzane Von Richthofen? Hm?). E mais, como se só isso já não fosse ruim o suficiente: quanto maior o grau de violência da punição, maior a probabilidade de que ela gere, na pessoa punida, efeitos colaterais como ansiedade, depressão, baixa auto-estima e agressividade. Porque se há uma coisa que a gente aprende rapidamente, e através de exemplos e modelos, é que a violência é um meio legítimo de se livrar daquilo que nos incomoda. É isso que você ensina para seu filho quando bate nele. Só pra exemplificar: Flynn (1999) descobriu uma correlação altamente positiva entre crueldade infantil com animais e quantidade de punição corporal que os pais dessas crianças usavam com elas. E Straus & Mouradian (1998) dizem na conclusão de seu artigo que:

“Quanto mais punição corporal experienciou a criança, maior a tendência para ela engajar-se em comportamentos antissociais e atos impulsivos. A punição corporal doméstica está fortemente associada a problemas de comportamento da criança.”

Pior ainda: a punição física recorrente gera, com frequência, uma habituação ao estímulo aversivo punidor. Ou seja, com o tempo, uma palmadinha não dói tanto, e não causa mais efeito. Você vai ter que bater com o chinelo… que com o tempo também não vai ter muita importância e você vai ter que dar uma surra de cinto… e assim vai até o espancamento. Isso é o que se chama comumente de “escalada de violência”, e quando ela começa, se não for interrompida, acaba muito mal. Para Skinner – é, lá vem o bom velhinho denovo, get used to it –  a punição não reduz a probabilidade que o ato punido re-ocorra. Ele usava uma pancada na pata de ratos ou um choque elétrico como formas de punição corporal, denominadas estímulos aversivos, em experimentos de laboratório. A punição, para o rato, apesar de diminuir inicialmente a freqüência de respostas punidas, não levava à extinção do comportamento, e, após um período de sob condições aversivas, o número de respostas emitidas pelos ratos punidos era praticamente o mesmo dos ratos não punidos. Ou seja, apesar de inicialmente diminuir a quantidade de respostas, a punição não faz o comportamento inadequado desaparecer, ela só causa tolerância. É quase como uma droga.

É claro que há outras variáveis que são também muito importantes para gerar adultos agressivos, e muitos vão dizer “mas eu sempre tomei umas palmadas quando criança e não sou uma pessoa agressiva!”. Mas imagine uma pessoa que, além de apanhar sempre que faz uma coisa errada, não tem exemplos adequados dos pais e familiares, não estuda em uma instituição que se preocupa com a formação global do cidadão, mora numa vizinhança violenta, vê todos os dias as notícias horrorosas do Datena e teve algumas experiências em que usar de violência e agressividade resolveram alguns problemas na sua vida. Junte isso tudo e com muita certeza você terá um adulto com grande probabilidade de ser violento, agressivo e ansioso. Se você acha que esse quadro é um exagero, coloque o nariz pra fora de casa por um dia e conheça as crianças que moram no seu prédio, na sua rua…

O que eu ouvi muito esses dias é que “se a criança não toma umas palmadas, ela fica sem limites”. Sinceramente ainda não entendi o que são esses tais desses limites. Mas minha idéia é que o ser humano já desenvolveu uma técnica bem mais efetiva de estabelecer limites abstratos, e ela se chama “formulação de regras”. Uma regra adequada é aquela que descreve uma situação, o comportamento que deve ou não ser emitido e a consequência que esse comportamento terá. Nesse sentido, leis são regras, fazer ciência está baseado em regras, e educar uma criança é, praticamente, ensinar regras. “Quando estiver na mesa, não jogue a comida no chão, porque isso vai fazer você ficar de castigo, ok?” é prático, rápido, deve ser seguido tanto pelos pais quanto pelas crianças e o melhor, funciona. Pode não funcionar imediatamente, e provavelmente não funcionará até que a criança “teste” a regra, até que ela jogue a comida no chão e fique de castigo por causa disso. Mas quem disse que educar uma criança é fácil, rápido, indolor e certeiro? E se você acha que crianças pequenas não entendem regras é porque nunca conviveu com uma.

Essas informações não foram tiradas do ar e nem do pensamento lógico de ninguém: são dados experimentais muito bem estudados, replicados e confirmados. Segundo Longo (2001):

“Para se ter uma idéia de tamanho interesse e preocupação em estudar os efeitos da punição sobre o comportamento, existem, por exemplo, mais de 8250 artigos científicos publicados sobre Punição na base de dados eletrônica PsycoInfo, do período que vai de 1887 a abril de 2001. Esta base de dados internacional disponibiliza artigos de mais de 1.500 periódicos em Psicologia.”

Mas castigo não é punição? Elementar meu caro leitor: castigo é um tipo de punição que não envolve violência física. É uma maneira bem mais branda de punir, que ensina (além de fuga e esquiva e contracontrole muito mais brandos e até adequados) que alguns privilégios são diretamente ligados a determinados comportamentos que devem ser emitidos. Retirar a liberdade de um criminoso tem a função de fazer com que ele “aprenda” que conviver em sociedade requer o seguimento das leis. Do mesmo modo que ficar no cantinho por cinco minutos ensina uma criança pequena que brincar na sala requer que ela não quebre os vasos da mamãe. É um tipo de punição em que há maior probabilidade de o comportamento de fuga esquiva seja coincidente com o comportamento adequado. Além disso, o castigo tem a grande vantagem de impor o tal do “respeito e autoridade” dos pais, outro argumento muito usado pelos opinadores de plantão. A pessoa que tem a “autoridade” de ditar as regras é percebida, quando essas regras são justas, coerentes e objetivas, como aquele que detêm o poder e que deve ser respeitado. De novo, essa autoridade nunca será alcançada do-dia-pra-noite, e é óbvio que só dar regras coerentes não torna uma pessoa instantaneamente um boa fonte de regras. Mas se não suficiente, pelo menos é necessário. Pesquisas têm mostrado que, em se tratando de educação de crianças, a coerência e a constância entre comportamento inadequado e punição justa surte mais efeitos positivos e duradouros do que o tipo e o grau de violência da punição em si.

É claro que há também muitas pesquisas indicando que punições físicas funcionam e há muitas pessoas minimamente “estudadas” que apóiam a pedagogia da palmada (entre eles o Içami Tiba). Quem tiver curiosidade de conhecer estudos contra e à favor da punição física/corporal, dê uma olhada na maravilhosa tese do Cristiano da Silveira Longo, disponível on line: “A Punição Corporal Doméstica De Crianças E Adolescentes: O Olhar De Autores De Livros Sobre Educação Familiar No Brasil (1981-2000)”.   Infelizmente nenhum dos argumentos deles me convenceu, e eu não vi dados experimentais que digam que métodos de punição corporal sejam mais eficientes do que outros métodos de punição mais brandos e não físicos. E, principalmente, nenhum mostrou que NÃO há efeitos colaterais da punição física a longo prazo. Em se tratando de formação de seres humanos, minha humilde opinião é de que É MELHOR NÃO ARRISCAR.

Referências:

Longo, C.S. (2005). Ética disciplinar e punições corporais na infância. Psicologia USP, 16(4), 99-119.

Do Carmo, P.H.B. (2009). Práticas Educativas Coercitivas E Crenças Sobre A Coerção Em Mães De Diferentes Níveis Socioeconômicos. Tese de Doutorado. Universidade Federal da Bahia.

FLYNN, C.P. (1999) “ Exploring the link between corporal punishment and children’s cruelty to animals.” In: Journal of Marriage and the Family. Nov; Vol 61(4): 971-981

STRAUS, M.A., MOURADIAN, V.E. (1998) “ Impulsive corporal punishment by mothers and antisocial behavior and impulsiveness of children.” Behavioral Sciences and the Law. Sum; Vol 16(3): 353-374.

Outros artigos bacanas sobre o assunto:

Tapinhas Machucam Sim. (Lidia Natalia Dobrianskyj Weber – Universidade Federal do Paraná)

O Comportamento Violento Como Interação Social E Prática Cultural: Uma Análise Comportamental. (Silvia Helena Tomazella e Pedro Bordini Faleiros – Centro Universitário Hermínio Ometto/Uniararas)

Práticas educativas parentais: um estudo comparativo da interação familiar de dois adolescentes distintos. (Ana Paula Viezzer Salvador e Lidia Natalia Dobrianskyj Weber – Universidade Federal do Paraná, Curitiba)

7 Comentários leave one →
  1. Osame Kinouchi permalink
    22 de julho de 2010 13:11

    Mas, e tapinha consensual entre namorados, pode? risos

    • Aninha permalink*
      22 de julho de 2010 13:13

      Sou super a favor do tapinha recreativo… HAHAHAHAHAHAHAHAHA…

  2. marcelo permalink
    27 de julho de 2010 01:34

    Após pesquisar intensamente na web, não achei NENHUM texto que mostre, na prática, ALTERNATIVAS a palmadas para crianças até 5 anos. Por razões obviamente conhecidas de qualquer pessoa – num país com muitos e muitos milhões de habitantes (ou seja, tire-se ‘Suécia’, ‘Dinamarca’, ‘Áustria’, ‘Uruguai’ e outras tentativas de querer aplicar num país como o nosso tais realidades) – estas crianças não compreendem argumentações lógicas ainda, nem correlacionam ‘privação de privilégios’ com ‘castigo’.

    Além disso, como diz o 8o. parágrafo em http://www.abrapee.psc.br/artigo19.htm ‘e houver supervisão constante’, isso é requisito para a pedagogia do ‘não tapa’ funcionar. Como pode ser possível, com mães tendo que trabalhar 8 horas e gastar mais algumas na condução de casa pro trabalho? Vai se pretender que no fim de semana, quando a ‘supervisão’ possa até ser mais intensa, se reverta toda uma realidade semanal prévia?

    O que o sr. Longo efetivamente apresentou até o momento de alternativas? Apenas o que consegui achar foi um ‘olhar’ sobre os seus concorrentes filosóficos e nada mais. Meros artigos de retrospectiva sobre a evolução da pedagogia tradicional e sem nenhuma proposta com novas opções. Queria ver ele com 3 filhos (meninOs ;) de 4, 6 e 8 anos num mercado num sábado com todos correndo e escorregando metros pelo chão como pequeninos, queridos e divertidos ‘pets’ e sem possibilidade de ameaçar com um castigo físico quando ‘se chegar em casa’. O que ele faria, ia procurar uma cadeira no mercado pra por de castigo os três por 10 minutos??!

    Toda essa falácia é de ‘profissionais’ que ou tem tempo próprio ou do cônjuge pra estar continuamente ‘supervisionando’. Eu tenho certeza que se pudesse estar com meus filhos 8 horas por dia direto, eles não teriam que apanhar de vez em quando nos seus momentos de irracionalidade impulsiva ÓBVIA (crianças sob tremendos estímulos da mídia, consumo e potenciais sensações agradáveis). QUERER TRAZER A PEDAGOGIA DOS INDÍGENAS, ABORÍGENES E NÓRDICOS NAS REALIDADES DELES (mídia controlada e ALTOS ÍNDICES DE SEGURANÇA PÚBLICA) POR FORÇA DE LEI AO NOSSO PAÍS É RIDÍCULAMENTE INAPLICÁVEL e assim óbvio que será mais uma lei que ‘não vai pegar’. Na verdade SERÁ UMA LEI ÚTIL APENAS PARA AUMENTAR RIXAS ENTRE VIZINHOS e CAUSARÁ muitas INJUSTIÇAS A PAIS QUE TENTAM nessa PROTEGER OS FILHOS dos excessos de estímulos consumistas dessa nossa sociedade e também das NATURAIS BRIGAS FÍSICAS entre os pequenos IRMÃOS.

    Espero que as ‘pesquisas’ do sr. Weber e outros citados em textos que eu li tenham pesquisado PAIS COM MAIS DE 2 FILHOS PEQUENOS, não só ‘filhinhos únicos’ de mamãe e papai (sem irmãos pra quebrarem o pau em casa e derrubá-la).

    Eu mesmo me lembro que quando criança (4-5 anos), se não fosse por uns bons tapas, não teria ‘obedecido’ aos ‘castigo de ficar sentado no sofá / não ganhar a sobremesa etc’ e VOLTADO a fazer o que estava fazendo (tipo, derrubando a casa – ou pior, o restaurante – ou pondo fogo na cortina). E ISSO, em casa, QUANDO MEUS PAIS ESTAVAM FORA, trabalhando! APENAS O MEDO de umas belas PALMADAS, AO CHEGAREM, ME LIMITAVA (e a não colocar-me até muitas vezes em risco real próprio…)

    O que minha mãe/pai teriam de alternativa??!!!! Fala-se de ‘colocar de castigo’ pra crianças que não tem a mínima racionalidade, afinal colocar fogo na cortina pra imitar aquele desenho ou meter a mão no pirex de pudim de sobremesa do restaurante é mais legal que jogar uma semana de vídeo game, dá pra ficar sem isso se for o castigo… Que dirá dos POBRES pais (que ganham salário mínimo) com filhos (leia-se: meninOs) de 4, 5 ou 6 anos, que ficam em casa (E NÃO APARTAMENTO) com uma babá ‘meia boca’, rasgando direto a parca roupa e quebrando as coisas da casa; vão repor com que dinheiro?!? Vão realmente conseguir FREAR COMPORTAMENTOS INSTINTIVOS (de milhares de anos) de ‘aventura’ ou ‘competitividade’ de seus pequenos irracionais exploradores com um ‘chá de cadeira’ quando chegarem em casa à noite?

    Que dirá ainda dos infelizes pais que tenham filhos

    Posição completamente equivocada de meia dúzia de ‘doutoras’ da USP e UFPR, que tenho certeza que, SE tiverem filhos, deve ser um ou no máximo dois (casalzinho ou só meninas). E COM TEMPO DE TEREM ESTADO COM ELES (ou se não eles, deixaram com certeza com os AVÓS). E não levam em conta também qualquer dimensão GENÉTICA influencidadora do CARÁTER do ser humano. Uma criança levemente influenciada geneticamente para mais violência, desde pequena mesmo (2-4 anos) vai ser ‘educada’ pra não bater nem fazer escândalos na base do ficar sem o chocalhinho, a bola ou o hot wheels QUANDO OS PAIS CHEGAM À NOITE (pois NA HORA dos acontecimentos, eles NÃO ESTÃO LÁ para aplicar alguma correção ‘alternativa’ tipo segurar firme impossibilitando FISICAMENTE a criança de dar vazão àquele instinto).

    A questão é muito mais complexa do que olhar o que se fez na Suécia ou Áustria, e querer IMPOR AOS BRASILEIROS uma forma de educar que nossas crianças TÊM O DIREITO DE TER e nós o DEVER DE APLICAR. Tenho certeza que crianças com qualquer comportamento INATO mais ‘exacerbado’ lá na Suécia ou Dinamarca podem ser levadas pelos pais para acompanhamento psicológico PÚBLICO E GRATUITO E DE QUALIDADE. Lá também tenho certeza que as crianças desde os 2 anos não passam 6 horas por dia na frente da TV com toda sorte de estímulos consumistas porque os pais não podem estar em casa. Nem nas aldeias aborígenes da Austrália ou nas tribos do Xingu. LÁ, SIM, as crianças talvez possam crescer sem PRECISAR de umas boas palmadas, afinal.

    • Aninha permalink*
      4 de agosto de 2010 21:23

      Não sei nem por onde eu começo…

  3. marcelo permalink
    5 de agosto de 2010 02:33

    precisar de umas ‘boas’ palmadas obviamente quis dizer DE VEZ EM QUANDO, tendendo para o RARAMENTE. mas querer por força de lei eliminar um recurso dos pais para proteger seus filhos… então que antes se eliminem por lei qualquer transmissão de filmes e desenhos violentos, para casas com crianças que ainda não estejam desenvolvidas para julgamentos… violência gera violência? então será que o contrário também é real? tipo, então proíba-se por lei TAMBÉM a violência NA MÍDIA (e isso em geral, incluindo Shrek e cia) pois apertar a coisa dum lado só não vai dar nada.

    como disse, já tem o ECA como ferramenta jurídica para os ABUSOS SEREM PUNIDOS. não se deve ELIMINAR a condição (tudo bem… de novo, de ÚLTIMA instância a ser recorrido) dos pais castigarem LEVEMENTE E INFREQÜENTEMENTE um filho, fisicamente. É óbvio que se alguém constatar que esteja havendo ‘doses’ cada vez mais fortes pra ‘fazer efeito’ isso PODERÁ CARACTERIZAR ABUSO SIM e aí pode ser invocado o ECA para investigar e corrigir o caso se constatado. AMO MEUS FILHOS, SÃO MINHA VIDA E EXATAMENTE POR ISSO NÃO ABRO MÃO DE PODER TER UM RECURSO EXTREMO SE NECESSÁRIO E LUTAREI DE TODAS AS FORMAS POSSÍVEIS PARA NÃO DEIXAR QUE QUEM NEM OS CONHECE DECIDA POR MIM QUANDO/SE A MELHOR FORMA DE CORRIGIR COMPORTAMENTOS EXCESSIVAMENTE DESCONTROLADOS / INSTINTIVOS seja uma leve coação física. Como disse, até, por não poder estar 11hs por dia direto pra supervisioná-los, NÓS PAIS temos que poder gerar uma EXPECTATIVA de ‘levarem uma’ para refreá-los (e assim garantir suas integridades físicas até, muitas vezes) na nossa ausência… percebam, isso que acabei de colocar é MUITO importante… integridade FÍSICA garantida por medo por falta de possibilidade de supervisão adequada. Teria OUTRA alternativa para uma criança na 1a. infância que ainda não tem maturidade de discernimento? Gostaria de ser convencido de alternativas COMPROVADAS (mesmo ambiente/estímulos/exposição etc que em nossa sociedade, DAQUI) seria maravilhoso, claro…

    (ah, e no meu post anterior ficou uma frase solta, perdida, devido a um paste errado ;)

    ]s[ e desculpe se o post ficou longo ;)

  4. 14 de agosto de 2010 01:09

    que belo post! Mto legal seu blog,

    se você quiser posso colocar um post seu em meu blog com seu nome e link do teu blog!

    Mais uma vez parabens pelo blog de altissimo nivel!

    dá uma passada lá no meu!
    http://psicologiaparatodos.16mb.com

    abraços!

  5. bields84 permalink
    22 de agosto de 2010 02:02

    Olá passei aqui de novo para avisar que o blog de psicologia antigo saiu do ar devido aos muitos acessos simultaneos, entao, estou aqui pra te avisar do novo blog: ==> http://psicologiaparatodos.orgfree.com/blogpsicologia

    não esqueça de visitar! Pode esquecer o outro endereço!

    Abraços!!!!!!!!

    biel

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: