Skip to content

“O que está errado com a vida cotidiana?”

15 de outubro de 2009

Este post participa do Blog Action Day 2009: um dia do ano em que blogueiros de todo o mundo se unem pra falar de uma só coisa. A causa deste ano é “Climate Change”, uma questão que vai acabar batendo na porta de todo mundo, mais dia ou menos dia!

bad-300-250

O título do post é uma kibada de um artigo de B. F. Skinner, psicólogo americano e um cara que pensou e falou durante muito tempo sobre como os seres humanos cuidavam mal de seu ambiente e sobre como isso ia acabar causando problemas. E olha que isso foi num tempo em que esse negócio de ecologia era só pra gente estranha e hippie doidão!

A referência bonitinha do artigo é:

Skinner, B.F. (1987). What is Wrong with Daily Life in the Western World? In: B.F. Skinner, Upon Further Reflection. Englewood Clifs (New Jersey): Prentice Hall, p.15-31. E ele pode ser baixado em pdf aqui ou aqui.

No artigo em questão, publicado em 1987, Skinner tenta explicar o que leva as pessoas a se comportarem de maneiras inadequadas, mesmo sabendo que isso levará a consequências nada agradáveis em longo prazo. Questão ligada diretamente com o tema do momento, porque todo mundo sabe muito bem o que está causando o aquecimento global e quais serão as consequências desse aquecimento no futuro. Escute o homem:

“Existem muitas coisas erradas com o mundo hoje, mas elas não perturbam a todos. Superpopulação, esgotamento e poluição do meio ambiente, e até mesmo a possibilidade de uma guerra nuclear são freqüentemente desconsiderados como se forem assuntos para um futuro razoavelmente distante. Pobreza, doença e violência são problemas atuais, mas não para todos. Muitos daqueles que vivem nas democracias ocidentais desfrutam de um grau razoável de fartura, liberdade e segurança. Mas eles têm o seu próprio problema. Apesar de seus privilégios, muitos estão aborrecidos, inquietos ou deprimidos. Não estão desfrutando suas vidas. Não gostam daquilo que fazem; não fazem aquilo de que gostam. Numa palavra, estão infelizes. Esse não é o problema mais sério no mundo, mas se poderia dizer que é premente. Algo semelhante ao estilo de vida atual no Ocidente é aquilo que a maioria das pessoas almeja desfrutar após ter resolvido seus outros problemas. Não existiria alguma coisa mais promissora para o futuro da espécie?”

No remotíssimo ano de 1987, ele não podia prever o aquecimento global, fruto direto do modo de vida ocidental que abusa dos combustíveis fósseis e da produção de artigos de consumo baseados em plásticos. E pra produzir cada vez mais e mais, o ocidente destruiu quase toda a cobertura de florestas do nosso canto de cá do planeta. Mas descreveu com perfeição as causas comportamentais do consumismo.

Ao modificar o ambiente natural em seu proveito (o que em si, não é nada mal, temos abrigo, comida, proteção, etc…) o homem acabou por atropelar algumas leis comportamentais que se estabeleceram pela seleção da espécie. A principal delas é a que descreve a aprendizagem dos organismos: sempre que uma ação é seguida por um evento reforçador (grosso modo, coisas agradáveis, prazerosas, úteis ou pelo menos não ruins), sua probabilidade de acontecer novamente, em contextos semelhantes, é aumentada. Com o tempo, essas ações se tornam parte do repertório daquele organismo, ou seja, podemos dizer que o fulano “aprendeu” a fazer determinada coisa.

O ambiente “natural” – em contraposição ao ambiente cultural humano – é um tanto quanto pobre em reforçadores. Pense no homem das cavernas, coitado, tendo que passar dias seguindo sua caça, correr bastante atrás do bicho e falhando em capturá-lo muitas das vezes. Agora compare com o homem moderno que nem sai de dentro do seu carro e só precisa esticar o braço para capturar um hambúrguer com batata frita e refrigerante grande! E posso afirmar com muita certeza que, dentro de determinadas condições, TODA VEZ que o nosso espécime esticar a mão com duas notas de dez reais no drive thru ele VAI CONSEGUIR um pacote cheio de comida.

Ao viver num ambiente em que quase nunca uma ação era consequenciada, foram selecionados os organismos que tinham muita sensibilidade ao evento reforçador. Assim, mesmo que esse reforço fosse muito raro, ele era suficiente para que os organismos aprendessem a se comportar. Quando passamos, rapidamente (em termos evolutivos), de um ambiente para o outro, nosso organismo não teve tempo de se readaptar, continuamos muito sensíveis aos eventos reforçadores. Tão sensíveis que queremos reforçadores cada vez melhores e cada vez mais rapidamente. E, pela lógica comportamental, quanto mais reforço, mais o comportamento se fortifica e se torna frequente.

E o que isso tudo tem a ver com o aquecimento global? Elementar meu caro Watson: os comportamentos que se tornaram fortes e frequentes são exatamente aqueles que não fazem nada bem ao meio ambiente. Skinner lista alguns desses comportamentos: o uso do dinheiro como reforçador generalizado para quase todos os comportamentos (que leva ao “amor ao dinheiro, acima de tudo”); a evitação do trabalho e a produção de cada vez mais equipamentos que diminuem o esforço para se fazer atividades simples; o comportamento de seguir regras sem tomar contato com o ambiente real (“compre baton!” sem ao menos saber que gosto ele tem); e finalmente, a busca desenfreada pelo reforçamento constante e imediato, em que só é bom aquilo que traz uma boa consequência, e rápido! O resultado disso tudo é que:

“enquanto milhares de milhões de pessoas em outras partes do mundo não podem fazer muitas das coisas que desejam fazer, centenas de milhões de pessoas no Ocidente não querem fazer muitas das coisas que podem fazer. Ao vencer a luta pela liberdade e a busca pela felicidade, o Ocidente perdeu sua inclinação para agir.”

Ou seja, essa inadequação comportamental leva ao consumismo desenfreado e aos comportamentos que são mais fáceis de emitir e que produzem resultados imediatos. São mais fáceis de emitir aqueles comportamentos que não requerem muito esforço (“pra quê separar o lixo?”), que custam pouco (“aquecimento solar está pela hora da morte, compre um aquecedor a diesel!”) e que trazem o maior reforço possível (“um SUV me dá muito mais status que um carrinho popular a álcool!”).

“E, afinal, quanta poluição e desperdício poderiam ser evitados se o Ocidente, que é de longe o principal transgressor, encerrasse sua busca frenética por coisas agradáveis para fazer? Quão mais rico seria o mundo inteiro, se os reforçadores da vida cotidiana fossem mais efetivamente contingentes ao trabalho produtivo?”

A solução está muito mais nas mãos dos que têm poder para mudar as regras do reforçamento do que na “vontade”, “consciência” ou “informação” dos indivíduos em particular, porque a situação requer uma mudança drástica e rápida dos comportamentos de muitas pessoas – ou melhor de TODAS as pessoas – ao mesmo tempo. Não temos tempo para esperar que o ambiente remodele os comportamentos, porque quando estiver quente pra dedéu, e todo mundo começar a se preocupar em fazer coisas que não aumentem ainda mais a temperatura, a coisa não terá mais como ser revertida. E é por isso que é tão importante pressionar os caras que têm o poder de mudar o ambiente imediato das pessoas: sobretaxando o uso de combustíveis fósseis, fazendo leis que diminuam a emissão de poluentes que aumentam o efeito estufa, investindo em produção de combustíveis alternativos e na mudança da matriz energética, educando a população para a diminuição do consumo, etc e talz.

É por isso que eu digo: Obama!! Já ganhou o Nobel, agora se mexe, meu filho!!!

OMFG!!!

OMFG!!!

E neste espírito de blogagem coletiva, vou linkar ao longo do dia todos os colegas brazucas que postarem no Blog Action Day 2009 e fazer uma listinha aqui… Fique esperto e procure também no Twitter pela hashtag #BAD09!!

Blogs no #BAD09:

RNAm: Mudanças climáticas: perigosas para o planeta… e para a saúde global

Eco Desenvolvimento: Blog Action Day

Rastro de Carbono: Blog Action Day 2009

Gene Repórter: Aquecimento global

Idéias Cretinas: Os ‘céticos’ do clima no senado americano

Discutindo Ecologia: E o aquecimento global? Temos informações novas?

Uma Malla Pelo Mundo: Era uma vez Tuvalu

Bem Legaus!: Máquina de coleta de celulares

Querido Leitor: Blog Action Day 2009

Homem Moderno: Blog Action Day: Mudanças climáticas

Cacau com Lúpulo: Questionando minhas atitudes!

Direto de Plutão: Blog Action Day’09: Climate Change

Global Voices Online: Post in Portuguese on Blog Action Day ‘09

Geófagos: Mudanças climáticas, produção agrícola e qualidade de hortaliças

Café com Ciência: Como medir o aqueciemnto global?

8 Comentários leave one →
  1. 15 de outubro de 2009 12:22

    Eu postei sobre o Blog Action Day 2009 mas a minha visão é bem pessimista, eu acho que as pessoas não querem fazer nada pelo planeta, são muito poucos e irrelevantes aqueles que se conscientizam e salvar o Mundo ….. acredito que infelizmente as consequencias do Aquecimento Global vão ocorrer, e vai ser logo logo ……

  2. 16 de outubro de 2009 02:55

    Legaaaal, gostei! Ia postar pro blog action day também mas acabei deixando passar! :(

Trackbacks

  1. Questionando minhas atitudes! « Cacau com Lúpulo
  2. Global Voices Online » Post in Portuguese on Blog Action Day ‘09
  3. Posts in Portuguese on Blog Action Day ‘09 | Kusuyorum
  4. Blog Action Day 2009 « Daniel Goettenauer
  5. Rato de Biblioteca » Blog Archive » Mudanças Climáticas e O Dia Depois de Amanhã
  6. Mudanças climáticas: perigosas para o planeta… e para a saúde global. (Blog Action Day 2009) | RNAm

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: