Skip to content

“Foi um remedinho que eu tomei!”

2 de setembro de 2009

Vanusa – mais conhecida, ultimamente, como mãe de ex-participante de reality show – pagou um mico homérico essa semana assassinado cantando o Hino Nacional de uma maneira, digamos, nada digna. A coisa já começou mal e foi ficando cada vez pior, culminando numa mistura de Tiririca com Cana-Brava cantando “risonho e límpido” em ritmo de bolero. A cantora alegou, no dia seguinte, estar sob efeito de remédios para labirintite.

Há diversos outros casos de celebridades e afins que saíram por aí fazendo estripulias por estarem fora de seu estado normal, sem consciência do que faziam. Mas claro, a culpa não era delas, “foi o remedinho que eu tomei!”. Lembra do Vanucci no final da Copa de 2006, enrolando a língua e fazendo um discurso completamente desconexo? Havia tomado um ansiolítico chamado Lorax, e “acidentalmente” bebido um copo de vinho no almoço. Será que substâncias psicotrópicas e outros remédios podem, mesmo, fazer com que uma pessoa cometa isso:

Vejamos algumas substâncias de uso mais ou menos comum, vendidas legalmente em farmácias, e o que elas podem fazer aos incautos consumidores.

  • Vertix: suspeito n° 1 no caso do assassinato do Hino Nacional. É o nome comercial do Dicloridrato de Flunarizina, usado para combater alterações de memória e de concentração causados por distúrbios circulatórios cerebrais e, de quebra, vertigens, tonturas e labirintite. O princípio ativo bloqueia seletivamente a entrada de Ca++ nas células. Quando há muito Ca++ entrando numa célula da parede vascular (que é feita, pasmem, de músculos), ela fica com uma carga positiva muito grande, enquanto o lado de fora fica com a carga bem menor, porque a cada Ca++ que entra na célula, ela cospe um K+. Essa diferença de potencial entre o interior e o exterior das células faz com que os músculos que formam as paredes das veias se contraiam, dificultando a passagem do sangue, aumentando o esforço que o coração tem que fazer para bombeá-lo e atrapalhando a irrigação dos tecidos. É o que chamamos de pressão alta.
Mecanismo de vasoconstrição e vasodilatação comandados pela entrada e saída de íns de Ca e K

Mecanismo de vasoconstrição e vasodilatação comandados pela entrada e saída de íons de Ca e K

O remédio impede todo esse processo, ou seja, diminui a pressão no cérebro e periferias, evitando o aparecimento de sintomas como vertigem ou perda de memória. Devido a essa queda razoavelmente brusca de pressão no Sistema Nervoso Central, a substância pode causar sonolência e a bula do remédio indica que se deve tomar cuidado ao dirigir ou operar máquinas. Nada sobre cantar o Hino Nacional. Uma das possibilidades de que o Vertix provoque aquele efeito de perda de controle muscular é a interação com álcool ou com remédios depressores do SNC, como ansiolíticos e antidepressivos. (Ô, Vanusa: tomar remédio pode, dear. Não pode com as três doses de Tatuzinho pra fazer ele descer, viu?)

  • Lorax: o vilão da história do Vanucci. Nome comercial do Lorazepam, substância do grupo dos benzodiazepínicos. Ou seja, já deu pra perceber que não é um remedinho qualquer, né? Os benzodiazepínicos são um grupo de substâncias usadas como tranquilizantes, reguladores de sono e para o controle da ansiedade. Especificamente, o Lorazepam é indicado para casos de ansiedade associada a depressão. Também usado em pacientes com quadro psicótico e com depressão intensa. Combinado que isso NÃO É uma balinha, ok? A bula do remédio tem uma lista de precauções imensa, ele é de uso restrito e só pode ser comprado com a receita médica (o famoso “tarja preta”). A lista de reações adversas que os benzodiazepínicos podem provocar é singela, mas assustadora: sedação, tontura, fraqueza, instabilidade e, mais raramente, manifestações autonômicas (tiques e movimentos musculares involuntários), irritação, desorientação e alucinações. Além disso tudo, remédios desse grupo causam dependência quando usados por muito tempo ou em doses altas.

O que a substância faz, basicamente, é parecido com que o álcool faz no SNC. Embora não se saiba exatamente como o Lorazepam age no organismo, provavelmente ele interage com um neurotransmissor chamado GABA (ácido gama-aminobutírico, mas em inglês), potencializando sua ação. Esse fulano é conhecido por ser um neurotransmissor inibitório, ou seja, ele diminui a atividade dos sistemas em que está presente, porque diminui a ativação dos neurônios. Por isso, quanto mais ativo está o GABA em um sistema neuronal, menos esse sistema irá trabalhar, assim, temos diminuição de movimento, sedação, sonolência, etc. Como a ação do GABA é específica para cada lugar em que ele é liberado no sistema nervoso, fica difícil prever qual vai ser o efeito do remédio. Por isso os médicos vão introduzindo a droga aos poucos e verificando quais os comportamentos que o paciente apresenta. Você é a cobaia, meu amigo.

Quando associado ao álcool, o Lorazepam tem sua ação ainda mais fortalecida. Imagine o estrago que isso pode causar. Aliás, imagine não, veja:

É claro que esse medicamentos são usados porque há quadros clínicos em que o efeito benéfico do remédio supera, e em muito, os efeitos colaterais. Quando indicados e acompanhados pelo médico, e usados corretamente, essas substâncias são muito úteis e tornam a qualidade de vida de pessoas com quadros psiquiátricos muito melhor. Não estou aqui fazendo uma pregação contra o uso de psicofármacos e afins, apenas tentando demonstrar como eles funcionam e porque, quando não há necessidade, eles são tão deletérios. O que parece que era o caso dos caros colegas que serviram de exemplo aqui. Ambos tomaram remédio por conta própria, e saíram por aí fazendo estragos em suas carreiras. Quando aprenderem que pílula nenhuma vai trazer felicidade se seus comportamentos não mudarem, pode ser tarde demais. Aprende!

No comments yet

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: